7 Passos no processo da criatividade

ideias

Temos, devemos, aprender com os melhores, certo? É, pelo menos, o que pensamos na Kaksi Media. Quando nos dizem que devemos estar sempre a aprender, é verdade, mas podemos aprender melhor e mais depressa quando temos um bom professor.

Quando digo professor não quero dizer, necessariamente, a pessoa que, numa sala de aula, é suposto debitar as lições de um programa que uma outra equipa qualquer decidiu aprovar e fazer implementar.

Um professor pode ser qualquer pessoa. Até mesmo aquela estranha senhora que se aproxima, transportando um guarda-chuva aberto num dia de sol. Diz-se cantora. Estamos tentados a pensar que a sua sanidade mental já teve melhores dias até ela começar, de facto, a cantar e perceberes que não só tem uma boa voz mas que o timbre está no ponto. Mais uma vez aprendemos a lição de não julgar ninguém pela aparência.

Todos sabemos isso mas continuamos a faze-lo.

Falemos de criatividade. E do seu processo. Melhor, vamos dar espaço para que, quem sabe disso, fale de criatividade. Por exemplo, Neil Gaiman. É um dos melhores professores.

Em apenas quatro minutos ensina-nos algo muito importante: as ideias estão em qualquer lado. Se não as encontra, não há problema. Crie as suas próprias ideias.

Estas são as sete lições acerca do processo de criatividade e como escritores como Gaiman obtêm as suas ideias:

1 – Desespero

2 – Tempo limite

3 – Enquanto faz outras coisas

4 – Confluência

5 – Sonhar acordado

6 – Apanhar a ideia quando ela aparece

7 – Crie uma ideia, as outras vêm a seguir

 

José Freitas

José Freitas

Jornalista de profissão, aficionado do WordPress em projectos pessoais e colaborativos. Cinema, música, tecnologia, fotografia e mais umas coisas. De vez em quando assobia e alguma coisa acontece.

Queres receber as nossas mensagens semanais o teu email?

As nossas mensagens são compostas por pequenos textos escritos a pensar em ti (sim a sério, a pensar em ti).

Não enviamos SPAM porque também não gostamos de o receber.