13 tendências de marketing digital para elevar a tua empresa em 2018

José FreitasConteúdos, Social Media

O que nos vai trazer o sector do marketing digital em 2018?

É sempre arriscado fazer projecções sobre os próximos 12 meses num sector que muda a uma velocidade intensa. Onde, por vezes, o que hoje é verdade, amanhã é mentira.

Nós arriscamos.

Olhamos o que ficou do passado e as promessas dos novos tempos para perceber as tendências de marketing digital para elevar a tua empresa em 2018.

Mais vídeo, de todos os feitios e durações

O vídeo continua a ser fundamental numa qualquer estratégia de promoção. Seja de uma grande empresa ou de um pequeno negócio instalado numa arrecadação.

A sua importância está em crescimento contínuo e é seguro dizer que é uma tendência certa nos próximos anos.

Que tipo de vídeos?

À primeira vista, poderíamos ser tentados a pensar que a melhor opção é fazer vídeos curtos, fáceis de consumir e focados num único tópico. Afinal é o que parece estar a dar.

Por um lado, esta perspectiva tem lógica. Os vídeos curtos podem ser mais facilmente assimilados e vistos pelas pessoas, em detrimento dos longos. Em particular nas redes sociais e muito em concreto no Facebook.

Mas essa não é toda a verdade.

O Facebook adora vídeos longos, em particular aqueles que cativam e envolvem as pessoas, levando-as a ver durante mais tempo.

No ano passado, foi lançado o Facebook Watch, uma espécie de TV, reservada a determinados criadores e limitada geograficamente. Se a experiência resultar, é muito provável que esta iniciativa seja alargada a todos os utilizadores ao longo deste ano.

São ainda de esperar outras novidades relacionados com vídeo.

O Facebook tem a intenção de roubar alguma quota de mercado ao poderoso YouTube e, para isso, precisa de incentivar o uso do vídeo em larga escala. Mais ainda do que acontece agora.

Isto significa um maior incremento da preferência que o Facebook já atribui ao vídeo nativo (publicado de forma directa na rede social) e até o lançamento de uma aplicação móvel específica para o efeito.

Quem sabe se também não irá entrar no mundo das estações de tv…

E vídeos em todo o lado

Depois de fazer o vídeo e de o publicar no Facebook, no YouTube, no site, precisas de mais. Tens de encontrar formas de o reaproveitar e republicar. Uma, duas ou três vezes. Em locais diferentes ou usando outras perspectivas do seu conteúdo para apresentar e aproveitar uma exposição máxima.

Sem esquecer o vídeo em directo, que já é mais que uma tendência de marketing digital. É uma certeza.

O vídeo continuará a ser fundamental numa qualquer estratégia de promoção

O vídeo continuará a ser fundamental numa qualquer estratégia de promoção

Vídeo em directo ainda mais no topo das prioridades

As redes sociais e o YouTube criaram o caminho necessário para que a tendência do vídeo em directo seja uma certeza.

Se ainda não estás a usar este meio de contacto com os teus clientes ou potenciais clientes, precisas de o definir como uma prioridade para 2018.

Como seres visuais, estamos mais receptivos a consumir conteúdos em vídeo do que escritos. Lembras-te da frase “não li o livro mas vi o filme”…?

Neste momento, podes fazer uso do:

Desta forma podes aproveitar os benefícios que estas respectivas redes oferecem a quem faz os vídeos em directo, obtendo maior projecção e alcance. Podes também comunicar com os potenciais clientes em tempo real.

Tens ainda a vantagem de poder guardar os vídeos e voltar a usa-los mais tarde.

porque deves usar Facebook Live para impulsionar o teu negócio

Podes aproveitar os benefícios dos vídeos em directo, obtendo maior projecção e alcance

Instagram continua a crescer

Depois de uns tempos de incerteza sobre o futuro da plataforma, após a sua aquisição pelo Facebook, em Abril de 2012, o Instagram regressou à ribalta nos últimos anos. É uma tendência que veio para ficar a médio prazo.

O Instagram está também a crescer junto das marcas. Não só nos EUA mas também no resto do mundo.

Com as vantagens de ser um conteúdo visual, de gerar envolvimento e de possibilitar formas diferentes de intervenção, como as Stories (que ficam disponíveis apenas durante 24 horas).

O Instagram está ainda em crescimento na publicidade e a alargar a sua capacidade de cativar compradores de produtos sem sair da app. Neste momento, algumas marcas têm já a possibilidade de promover e vender produtos sem que o consumidor abandone a aplicação.

Não é de esperar que esta vertente se generalize este ano mas devemos contar com o aumento de empresas a receberem luz verde para este género de acções.

Aproveita as Críticas no Facebook

Não há melhor publicidade que o banal boca-a-boca (e daqui a pouco vamos abordar outro aspecto deste tipo de promoção).

No Facebook, as críticas são aquilo que há de mais aproximado ao boca-a-boca.

São cada vez mais importante para as marcas e empresas, na mesma medida em que a plataforma procura cativar os utilizadores a deixar críticas.

As críticas não servem apenas para estar na página. Podes e deves fazer com que cheguem a potenciais clientes. Por exemplo, podes criar uma ou mais publicações com as críticas e promove-la ou criar um anúncio específico.

Esta será uma das tendências de marketing digital menos esperada mas crescente em 2018.

No Facebook, as críticas são aquilo que há de mais aproximado ao boca-a-boca

No Facebook, as críticas são aquilo que há de mais aproximado ao boca-a-boca

Experimenta e testa o Pinterest

O Pinterest não tem o mesmo envolvimento e presença que o Instagram mas também tem registado um crescimento acentuado.

Para este ano é de prever que melhore a área das pesquisas, seja por palavra seja por imagem. Algo que pode ser muito interessante que empresas em que o apelo visual é elevado, como a alimentação, moda, hotelaria, beleza e outros.

É ainda de esperar um aumento da relevância do vídeo.

Se ainda não usas o Pinterest talvez esteja na hora de lhe dar uma oportunidade. Mas vai com tempo. É uma plataforma que implica algum tempo de aprendizagem e exige outro tanto tempo para ganhar tração.

Melhora e amplifica o teu conteúdo ao longo do ano

O conteúdo, em particular o marketing de conteúdo, não é uma tendência para 2018. É uma tendência de sempre. Faz parte desta lista porque deve continuar no centro das tuas preocupações.

Afinal, sem conteúdo (de preferência do bom) não tens nada para dizer.

É apontado como a principal actividade, aquela que terá maior impacto, em 2018 no marketing das empresas.

Marketing de conteúdo continua no topo das apostas

Marketing de conteúdo continua no topo das apostas

 

O conteúdo continua a ser rei.

Isto não quer dizer que tenhas de criar novas estratégias. Deves, em primeiro lugar, refinar e melhorar aquelas que já implementaste. Garante que o teu conteúdo é relevante para o público-alvo e que a tua audiência está perfeitamente definida.

Se ainda não estás a apostar em marketing de conteúdo, podemos dizer-te que chegas tarde à festa mas mais vale tarde que nunca.

Usa os bots para estabelecer relações

Se 2017 foi o ano da consolidação dos bots, 2018 promete ser o da sua generalização. É muito provável que tenhas de aderir a um sistema de bots, seja no Facebook ou no teu site.

O grau de complexidade é que pode variar, em conformidade com o teu negócio e com o teu site. Se é de carácter institucional ou uma loja online.

Os bots podem ajudar a esclarecer os clientes ou a estabelecer uma relação com outros utilizadores.

Micro-influenciadores em crescendo

Os influenciadores não são algo novo no marketing. Existem desde que existe marketing. Desde que as empresas decidiram usar pessoas conhecidas ou de referência para anunciar a sua oferta junto dos consumidores.

Para uma boa parte dessas marcas, o aproveitamento da imagem de uma personalidade famosa é uma boa opção.

Esta prática tem os seus custos, por norma elevados, e não está ao alcance de todos.

A não ser quando se reduz o âmbito da fama…

É aqui que entram os micro-influenciadores.

Ao que tudo indica, chegou o seu tempo.

São pessoas com algum peso nas redes sociais e em blogs, que são pagas para promover produtos ou serviços junto dos seus seguidores.

Isto é, escolhem pessoas de referência dentro de um determinado nicho para serem embaixadores ou promotores da marca.

O desafio está em saber escolher as pessoas correctas para o teu sector, aquelas que podem mexer com o público-alvo. Não numa perspectiva abrangente mas dentro de um núcleo limitado, onde a sua influência seja encarada como uma recomendação feita por um amigo.

A implementação de um estratégia de uso de micro-influenciadores envolve, no entanto, uma preparação cuidada:

  • na escolha das pessoas;
  • nas mensagens que estas têm de passar aos seus seguidores;
  • no acompanhamento de todo o processo.
Micro-influenciadores em crescendo

Micro-influenciadores em crescendo

O LinkedIn renasceu

Depois de quase ter entrado na clandestinidade, o LinkedIn está a fazer um esforço para regressar à ribalta. Com sucesso.

Está a replicar as estratégias de outras redes e a tentar recuperar o tempo perdido.

Acrescentaram vídeo às contas dos utilizadores e implementaram muitas alterações e actualizações da plataforma.

Ao longo do ano passado, conseguiram aumentar o número de utilizadores e esta é uma tendência para 2018. Até porque devem ser lançados os anúncios em vídeo.

Ao contrário das outras redes sociais, o LinkedIn tem um carácter profissional. O que significa que, à partida, o valor de cada utilizador é diferente.

LinkedIn está de regresso

LinkedIn está de regresso

Anúncios no digital vão ficar mais caros

É inevitável.

O custo dos anúncios no digital está a aumentar. O Facebook e o Instagram são das plataformas mais baratas para publicidade mas o preço está a subir. É uma tendência para este ano.

Ainda assim, a publicidade online é ainda a mais económica e que melhores resultados traz a médio e longo prazo.

Retargeting será essencial

Apesar de pouco ou nada utilizado por muitas empresas, a realização de anúncios de retargeting é uma extraordinária forma de transformar utilizadores, pessoas que já tiveram um contacto com a tua marca, em clientes.

O retargeting, no entanto, não deve ser visto como uma acção simples.

Tem de ser enquadrado dentro de uma estratégia, que permita desenhar um percurso do consumidor até ao momento da aquisição.

O retargeting não é uma forma de perseguir os teus utilizadores, é uma possibilidade de personalizares a sua experiência com a tua marca.

Para este ano prevemos um aumento das iniciativas de retargeting por parte das empresas, numa ligação directa com o aumento do preço dos anúncios. Afinal, o retargeting fica – em teoria – mais económico.

Personaliza a mensagem

É, porventura, a mais importante de todas as tendências que selecionamos para o novo ano.

No marketing, o género ‘pronto a vestir’ está em queda. As pessoas querem uma atenção particular e exclusiva. Por isso precisas de fornecer uma experiência personalizada.

Não se trata de dizer o nome da pessoa, trata-se de lhe oferecer aquilo que pretende.

Isto exige um enorme atenção da tua marca e, claro, precisas de alguns elementos que esse utilizador te transmita:

  • Deves encorajar a subscrição da tua newsletter e implementar uma estratégia de email marketing adequada às preferência indicadas;
  • Deves convidar à criação de uma conta no teu site, algo relevante para lojas de comércio electrónico;

Neste ponto, a personalização anda de mãos dadas com a automação do teu email marketing.

À partida parece haver um contra-senso entre ‘personalização’ e ‘automação’ mas não é isso que se verifica. Neste caso, trata-se de automatizar processos repetitivos, através do uso de ferramentas e serviços, que acabam por facilitar a personalização das mensagens, oferecendo uma experiência pessoal.

Agora, e ao longo de todo o ano, as mensagens feitas à medida de cada pessoa são cada vez mais decisivas para as empresas. São estas que escapam ao ‘ruído’ e chegam às pessoas.

Como se pode fazer isto?

  • Podes segmentar as pessoas com base no formulário que preenchem ao subscrever a newsletter;
  • Podes ‘alimentar’ as pessoas com conteúdo de valor e definir, através das suas opções e acções, aquilo que lhes é mais relevante, com base na abertura das mensagens e dos cliques;
  • Podes estabelecer uma sequência de emails que ajudem a perceber os interesses dessas pessoas.

O objectivo é fazer com que as pessoas sintam que estão a conversar contigo.

No entanto, tem em consideração as crescentes preocupações das pessoas com a sua privacidade. De resto, este será um tema relevante ao longo de 2018.

Humaniza a marca

As pessoas gostam de marcas e empresas com personalidade. Mas gosta ainda mais quando à personalidade juntam a humanização.

Nos últimos anos, o padrão da marca distante foi-se quebrando, para dar lugar à autenticidade do relacionamento entre pessoas. Esta é uma tendência que deverá registar um incremento este ano.

Cria uma marca que se preocupa com as pessoas, os seus gostos e preferências. Com o tempo terás a tua recompensa.

Conclusão

Apesar das muitas automações que podes criar em estratégias de email marketing, bots, retargeting, de toda a personalidade e humanidade que possa injectar no teu site, nas redes sociais e nos conteúdos, tudo se resume à tua capacidade de estares atento à evolução.

Nada muda mais depressa que o sector do marketing digital.

Estás preparado para um ano intenso?